As dicas para abrir e faturar com um negócio sobre rodas

Empreendedores e especialistas do setor se reuniram para discutir o potencial dos negócios itinerantes no evento PEGN Talks “Empreendedorismo Sobre Rodas”, em São Paulo

Via : Revista Pequenas Empresas Grandes Negócios

Publicado: terça-feira, 21 agosto, 2018 às 13:28

como-abrir-um-food-truckEncontrar os fornecedores certos, prestar atenção à legislação e diversificar os negócios: essas são algumas das dicas dos empreendedores itinerantes que se reuniram nesta quarta-feira durante o evento PEGN Talks “Empreendedorismo Sobre Rodas”, realizado no Ahoy! Berlin, em São Paulo, com o patrocínio da Fiat Ducato. O objetivo do encontro, que contou com a presença de donos de negócios e especialistas, foi discutir o potencial do setor e inspirar quem deseja empreender no segmento.

O primeiro painel contou com a presenta de Rolando Vanucci, 57 anos, que abriu o Rolando Massinha em 2007; a veterinária Bruna Lopes, 40 anos, do Bicho de Pet, que empreende desde 2016; e o produtor cultural André Fischer, de 52 anos, que criou com dois sócios a primeira rede de wine bars itinerantes do Brasil, em 2014. Confira a seguir as principais dicas para fazer seu negócios sobre rodas deslanchar.

Encontre o equilíbrio

Nos primeiros meses de atuação do Rolando Massinha, Vanucci chegava a trabalhar 20 horas por dia. “O meu primeiro negócio, ligado à construção, tinha fracassado. Então, ao abrir o food truck, eu sentia uma necessidade brutal de resgatar o que havia perdido”, diz Vanucci. Olhando para trás, ele diz que hoje agiria de maneira diferente. “Para atuar nessa área, é preciso trabalhar duro, mas também viver um pouquinho, para se realimentar.” Bruna, outra workaholic de plantão, tem um alerta para quem quer abrir um negócio no setor. “Eu sofri por trabalhar demais e passar muito tempo longe da família. Quem não tem ponderação padece nessa linha de negócio.”

Busque os fornecedores certos

No início do negócios, o Los Mendozitos comercializava apenas vinhos artesanais da região de Mendonza, na Argentina. Com o tempo, passaram a trabalhar também com bebidas do Chile, Uruguai e outros países da América do Sul. Mas mantiveram o foco em vinhos artesanais. “Quando esses produtores estão entrando no mercado, têm interesse em divulgar, então nos vendem a preços mais acessíveis”, diz Fischer. Daí, quando são descobertos pelo mercado, acabam subindo os valores. Nesse momento, vamos atrás de outros produtores. A ideia é sempre oferecer produtos de qualidade a preços baixos.”

Entenda a parte técnica Um dos desafios do empreendedor sobre rodas é adaptar o veículo para que atenda as necessidades do negócio. “Tive muitos problemas no início”, diz Bruna, da Bicho de Pet. Durante muito tempo, ela teve que sujar o avental de graxa para descobrir qual era o problema. “As principais dificuldades eram com o gerador, que não era capaz de suportar a sobrecarga elétrica, e com a parte hidráulica, já que a água acabava no meio do dia.” Para resolver, estudou a fundo as questões técnicas e passou a recorrer a fontes de água e energia nos condomínios em que atua.

Diversifique os negócios Para muitos empreendedores, o negócio sobre rodas funciona como uma porta de entrada para o mercado. Depois de alcançar o sucesso, a tendência é criar outros braços de negócio, que aumentem o faturamento. No ano passado, Bruna conseguiu realizar o sonho de abrir uma loja física. “No truck, consigo atender 13 ou 14 pets por dia. Já na loja, dá para chegar a 30 animais, então a lucratividade é maior.” Já o Los Mendozitos diversificou criando três rótulos próprios: um Cabernet Sauvignon, um Rosé e um espumante. “Além disso, temos uma loja virtual e unidades em 42 cidades”, diz Fischer.

Cuidado com a legislação Rolando Vanucci enfrentou duros desafios por conta das regras que regulam os food trucks, determinadas por cada prefeitura. “Há dois anos e meio, perdi tudo o que tinha construído. Na época, tinha nove veículos rodando. O problema é que um funcionário da prefeitura me tirou do meu ponto principal, na avenida Sumaré, em São Paulo. Ele me disse que, se eu continuasse, seria autuado e notificado. Vanucci deu a volta por cima e hoje está de volta à zona oeste de São Paulo. Sua dica para superar até as maiores dificuldades: “O cliente é seu sócio e investidor. Se você respeitar o cliente, vai conseguir atingir seus objetivos e se reerguer, mesmo diante dos maiores obstáculos.”